Pré-diabetes: Metformina é ou não o melhor tratamento para esse problema? 1 A Diabetes não tem cura. Ela pode ser revertida ou estabilizada.

Em alguns casos, é comum que um medicamento conhecido como Metformina seja indicado para o tratamento e reversão do pré-diabetes. Mas, será que a Metformina para pré-diabetes é realmente eficaz?

Ou será que existem outras formas de tratamento que são mais saudáveis e melhores? Essas são as principais dúvidas que vão ser respondidas ao longo deste artigo. 

No entanto, antes de realmente falar sobre Metformina para pré-diabetes é importante mencionar que essa condição já está afetando muitas pessoas no Brasil.

Na verdade, algumas pesquisas já sugerem que o número de pessoas pré-diabéticas já ultrapassou o de diabéticas no país. É claro que um diagnóstico de pré-diabetes é melhor do que um de diabetes, mas isso mostra que os hábitos de vida das pessoas, no geral, estão cada vez piores. 

Os principais fatores de risco para o pré-diabetes são: estar acima do peso, ser sedentário, ter um histórico familiar da doença e estar com mais de 40 anos de idade. Qualquer pessoa que se identifique com alguns desses apresentados já precisa redobrar a atenção em relação a esse problema. 

Segundo dados da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), mais de 35 milhões de brasileiros hoje já se apresentam com pré-diabetes, sendo que por volta de 25% deles desenvolverão o diabetes de fato nos próximos três a cinco anos. Portanto, é preciso tomar cuidado para não começar a se enquadrar nesses números. 

Mas, o que é de fato pré-diabetes e quais são as melhores formas de tratamento para esse problema? A Metformina para diabetes é um medicamento realmente eficiente? Veja as respostas ao longo deste conteúdo. 

O que é o pré diabetes?

Para começar, o pré-diabetes é uma condição que aparece a partir do momento em que o processamento do açúcar (glicose) pelo organismo já não está mais sendo feito da maneira correta.

A consequência é que ao invés de servir como fonte de energia para as células, essa glicose permanece circulando no sangue, o que faz com que o seu nível fique acima daquele considerado normal. 

Resumidamente, portanto, é possível dizer que uma determinada pessoa possui pré-diabetes quando o seu nível de glicose no sangue – também conhecido como glicemia – está acima do normal, mas ainda não é alto o bastante para ser considerado um diabetes de fato.

Para saber realmente como aparece o pré-diabetes, é importante lembrar como o organismo manuseia todo o açúcar que é ingerido na alimentação. Grande parte da glicose presente no corpo vem de alimentos que são consumidos, principalmente daqueles que possuem carboidratos (bolos, farinha, milho, frutas, doces, batata, arroz, massas, pão, entre outros). 

No momento da digestão, esse açúcar proveniente dos alimentos é absorvido no intestino e, consequentemente, entra na corrente sanguínea.

Logo que o corpo percebe uma elevação no nível de glicemia, o pâncreas já começa a liberar um hormônio conhecido como insulina. A insulina, então, age como uma chave que abre a porta das células para que esse açúcar entre e seja convertido em energia. 

Quando a glicose entra nas células, os níveis de açúcar no sangue caem e voltam ao normal. Sendo assim, sem a insulina a glicose não é capaz de entrar nas células e, sem glicose, essas células não conseguem funcionar da forma adequada. 

Dessa forma, quando uma determinada pessoa é diagnosticada com pré-diabetes, significa que todo o processo que foi descrito acima está sendo feito inadequadamente.

Normalmente, dois mecanismos acabam sendo os responsáveis. Ou o pâncreas passa a não ser mais capaz de produzir a quantidade certa de insulina, fazendo com que a glicose se acumule no sangue, ou as células acabam se tornando resistentes à ação da insulina.

No último caso, a quantidade de insulina produzida até é adequada, entretanto acaba não sendo eficiente no momento de facilitar a entrada de glicose nas células. Esse efeito é especialmente comum em pessoas com sobrepeso, pois o excesso de gordura está claramente associado a uma menor eficiência da insulina.

Antes de entender se a Metformina para pré-diabetes realmente funciona, veja a seguir os valores de glicemia no sangue.

  • Hiploglicemia: abaixo de 70 mg/dl;
  • Normal: entre 70 mg/dl e 99 mg/dl/
  • Pré-diabetes: entre 100 mg/dl e 125 mg/dl;
  • Diabetes: acima de 126 mg/dl.

Vale ressaltar que esses valores são baseados em exames de glicemia que são feitos com jejum de oito horas. Em outros casos, é necessário se informar sobre esses valores antes de qualquer coisa. Mas, normalmente todos os exames de glicemia são feitos sob essa condição, portanto não precisa se preocupar. É só seguir esses valores base. 

Tratamento para o pré-diabetes

Finalmente chegou a hora de entender se a Metformina para pré-diabetes funciona mesmo. Para isso, é necessário conhecer outras formas de tratar esse problema também, é claro. Lembre-se sempre de que o pré-diabetes, ao contrário do diabetes, possui cura e pode sim ser revertido. Mas, para isso o paciente precisa mudar os seus hábitos de vida o quanto antes.

Na maioria das vezes, apenas perdendo um pouco de peso, fazendo atividades físicas regularmente e mantendo uma alimentação saudável é possível reverter a condição. Uma pesquisa da Sociedade Brasileira de Diabetes estima que mudar esses hábitos de vida reduz em cerca de 40% o risco do pré-diabetes se desenvolver para um diabetes. 

Nesses casos, o uso de medicamentos, como a Metformina para pré-diabetes, não é necessário.

No entanto, para pessoas que já praticam exercícios físicos com frequência e que já estão no peso ideal, o tratamento farmacológico é indicado na maioria das vezes. É nesse momento que a Metformina para pré-diabetes entra. A boa notícia é que esse remédio é vendido a um preço baixo no Brasil, por causa do Programa Farmácia Popular do Ministério da Saúde.

De acordo com a mesma pesquisa mencionada acima da SBD, o risco de desenvolver diabetes é reduzido em apenas 20% com o uso de medicamento. Sendo assim, tudo precisa ser combinado com a mudança de hábitos. 

Mas, como será que funciona a Metformina para pré-diabetes? Veja logo a seguir mais informações importantes a respeito desse assunto. 

Metformina para pré-diabetes

Como já foi explicado antes, em muitos casos não existe a necessidade da Metformina para pré-diabetes. Isso porque mudar os hábitos de vida e torná-los mais saudáveis já pode fazer toda a diferença para controlar os níveis de glicose no sangue.

Além disso, não existem muitos medicamentos disponíveis que realmente são capazes de reduzir as chances da condição se tornar um diabetes de fato. 

Outro ponto negativo é que alguns desses medicamentos provocam uma gama de efeitos colaterais indesejados. Mas, esse tratamento farmacológico pode sim ser indicado para aquelas pessoas que já seguem um estilo de vida saudável e mesmo assim apresentam problemas com os níveis de glicose no sangue. 

É claro que em outras situações esse tratamento medicamentoso também é indicado. Por isso que o mais recomendado é procurar um médico e deixar que o profissional indique aquilo que é melhor para o seu caso em específico. 

De qualquer forma, quando esse tipo de tratamento é indicado, na maioria das vezes são os medicamentos à base de Metformina que são receitados para os pacientes. A Metformina é um antidiabético oral que é capaz de diminuir os níveis de glicemia e, além disso, também diminui o risco do pré-diabetes progredir para um diabetes de fato, principalmente em pessoas mais jovens.

A Metformina para pré-diabetes age diretamente no organismo a fim de diminuir a quantidade de açúcar que não entra nas células e, portanto, permanece no sangue. No entanto, esse tratamento medicamentoso também deve ser combinado com mudanças nos hábitos de vida para que ele realmente seja eficaz. 

Até mesmo pessoas que já são diabéticas às vezes precisam fazer o uso de Metformina para ajudar no controle da doença. Mas, tudo deve ser indicado pelo profissional de saúde. Caso contrário, as chances de fazer com que o problema piore ainda mais são grandes. 

Orlistat para pré-diabetes

Outro medicamento que às vezes também é indicado é o Orlistat, uma droga que, diferente da Metformina, não age de forma direta sobre a glicose, entretanto como ela ajuda o paciente a perder peso, é útil no controle do pré-diabetes. Afinal de contas, o sobrepeso é um dos principais fatores de risco da condição. 

Além da metformina, e do orlistat em casos selecionados, nenhuma outra droga costuma ser indicada para o prevenção do diabetes.

Sendo assim, por mais que a Metformina para pré-diabetes possa sim ser recomendada, o importante é seguir exatamente aquilo que o médico falar e não deixar de fazer todas as mudanças necessárias nos hábitos de vida também.

Como deu para perceber ao longo do conteúdo, o que mais ajuda na prevenção e no tratamento do pré-diabetes é ter uma alimentação saudável e praticar exercícios físicos regularmente. 

Caso o seu médico considere necessário o uso da Metformina para pré-diabetes, não deixe de perguntas todas as suas dúvidas a ele e tome todo o cuidado necessário para que a sua condição não venha a se tornar um diabetes de fato. O pré-diabetes, ao contrário do diabetes, tem cura e pode ser revertido, tenha sempre em mente essa informação.